0,00€
A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Possui, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), graduação (1973), mestrado (1979) e doutoramento em Comunicação (1991), e pós-doutoramento orientado pelo professor Bernard Stiegler no IRCAM, Centre Pompidou Paris 2003. Actualmente é professora associada IV da UFRJ, pesquisadora bolsista do Conselho Nacional de Pesquisa em Ciência e Tecnologia (CNPq) e coordenadora do grupo de pesquisa «Corpo e Imaginário Tecnológico». Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Teoria da Comunicação, Filosofia e Estética, actuando principalmente nos temas corpo, comunicação, tecnologia, subjectividade e cultura. Publicou vários artigos, alguns dos quais na revista de Comunicação e Linguagens editada pelo CECL da Universidade Nova de Lisboa e vários outros em revistas brasileiras e internacionais  e o livro Breve História do Corpo e de seus Monstros, Lisboa, Editora Vega, Colecção Passagens, segunda edição 2004.

Livros relacionados
 
 

Nasceu em 1955. Vive e trabalha em Lisboa.

Frequentou o curso de Pintura da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, de 1976 a 1981. 

As mais recentes exposições individuais: «As Florestas São do Outro Mundo» (pintura), Galeria Neupergama, Torres Novas, 2017; «Do Negro a Luz – Desenho 1986-2016», Fundação Carmona e Costa, Lisboa, 2016; «Epifania da Graça» (mosaico), Catedral de Bragança, 2015; «Maria Gabriela Llansol: O encontro inesperado do diverso» (com Duarte Belo), CIAJG, Guimarães, 2014; «Azul de Perdição» (pintura sobre papel), Giefarte, Lisboa, 2014; «Amor de Perdição» (pintura sobre papel), Casa de Camilo, S. Miguel de Seide, 2014; «O Quarto e o Bosque» (desenho), Giefarte, Lisboa, 2012; «Pentecostes», pintura na Capela do Rato, Lisboa, 2011; «Vicente» (pintura), Teatro de São João, Porto, 2009; «Cartas de São Paulo» (pintura), Seminário Conciliar de Braga, Braga, 2009; «Pentateuco» (pintura), Museu Carlos Machado, Ponta Delgada, 2007; «Ínsula» (pintura), Escola António Arroio, Lisboa, 2006; «Tábuas de Pedra» (pintura), Porta 33, Funchal, 2005; «Florestas» (desenho), Giefarte, Lisboa, 2005.

Além da pintura, tem-se dedicado também à ilustração de livros em colaboração com muitos dos melhores poetas portugueses. Numa iniciativa de José Tolentino Mendonça, ilustrou uma nova edição, em oito volumes, da primeira tradução da Bíblia para língua portuguesa, traduzida por João Ferreira Annes d’Almeida, publicada pela Assírio & Alvim, 2006. Em 2012 ilustrou livros de Camilo Castelo Branco, Maria Velho da Costa e Manuel António Pina.

Livros relacionados
 
 
 
 
 

Nasceu em Évora, 1986. Vive e trabalha em Lisboa. Iniciou a sua formação em pintura na FBAUL, e em 2010 prosseguiu os estudos em Londres, completando uma pós-graduação na Byam Shaw, na Central Saint Martins. Em 2013 concluiu o Mestrado em Pintura na Slade School of Fine Art, na UCL, como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian no programa Estudo de Especialização e Valorização Profissional em Artes no Estrangeiro.

Participou em várias exposições nacionais e internacionais, das quais se destacam (2018) Vindauga – olho de vento, curadoria de Hugo Dinis, Sala 117, Porto, PT; Variations portugaises, curadoria de Caroline Bissière e Jean-Paul Blanchet, Centre d’art de Meymac, FR; (2017) Blinds, curadoria de Maria Joana Vilela, Águas-Livres 8, Lisboa, PT; (2016) Múltiplos, The Drawing Center, Nova Iorque, EUA; (2015) Descontorno, curadoria de João Pinharanda, Casa de Burgos, Évora, PT; (2014) For(Matter), residência artística e exposição com apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, Atelier Concorde, Lisboa, PT; ART STABS POWER – Que se vayan todos!, curadoria de Inês Valle, Bermondsey Project, Londres, UK; (2013) 17.ª Bienal de Cerveira, Vila Nova de Cerveira, PT.

Recentemente o seu trabalho foi seleccionado para o 11.º Prémio Amadeo de Souza-Cardoso e para a 6ème Biennale Jeune Création Européenne 2017-2019, apresentada em França, Dinamarca, Letónia, Roménia, Itália, Espanha e Portugal. Apresentou em 2018 uma obra de arte pública, no âmbito do programa curatorial de Gabriela Raposo, 10.10.10 Arte entre Cidades, em Alenquer.

A sua obra é representada em colecções particulares em Portugal, França, Reino Unido, Espanha, Chile e EUA; Colecção da Oliva Creative Factory, São João da Madeira, PT; National Gallery of Budapest, HU; Colecção Museu da Carris, PT; Colecção Fernando Ribeiro, PT; Colecção Joaquim Ferro, PT.

Livros relacionados
 
 
 

É licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, mestre em História Contemporânea (século XX) e doutorada em História Institucional e Política Contemporânea, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

 

Elaborou diversos estudos sobre o Estado Novo, o período da II Guerra Mundial, a situação das mulheres e a polícia política durante a ditadura de Salazar e Caetano.

 

É investigadora do Instituto de História Contemporânea (FCSH da UNL), estando neste momento a realizar um projecto de Pós-Doutoramento, aprovado pela FCT, intitulado «O processo de justiça política relativamente à PIDE/DGS, na transição para a democracia em Portugal».

 

É autora e co-autora de diversos livros, entre os quais se contam: História das Organizações Femininas do Estado Novo (Círculo de Leitores, 2000 e Temas & Debates, 2001);Textos relativos a Portugal da obra Contai aos Vossos Filhos. Um Livro sobre o Holocausto na Europa, 1933-1945 (Gótica, 2000); Fotobiografia de Manuel Gonçalves Cerejeira (Círculo de Leitores em 2002); Judeus em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial. Em Fuga de Hitler e do Holocausto (Esfera dos Livros, 2006); A História da PIDE (Círculo de Leitores e Temas & Debates, 2007); Mocidade Portuguesa Feminina (Esfera dos Livros, 2007); O Corporativismo em Português. Estado, Política e Sociedade no Salazarismo e no Varguismo (Rio de Janeiro, 2007); Vítimas de Salazar. Estado Novo e Violência Política (Esfera dos Livros, 2007), em co-autoria com João Madeira e Luís Farinha; Biografia de um Inspector da PIDE (Esfera dos Livros, 2008); Fotobiografia de José Afonso (Círculo de Leitores, 2009 e Temas & Debates, 2010); Tribunais Políticos. Tribunais Militares Especiais e Tribunais Plenários durante a Ditadura e o Estado Novo, em co-autoria com Fernando Rosas, João Madeira, Luís Farinha e Maria Inácia Rezola (Círculo de Leitores/Temas & Debates, 2009); Conflicts, Memory Transfers and the Reshaping of Europe (Cambridge, 2010); Cardeal Cerejeira. O Príncipe da Igreja, (Esfera dos Livros, 2010); A Cada um o seu Lugar. A Política Feminina do Estado Novo, (Círculo de Leitores/Temas & Debates, 2011); Salazar, Portugal e o Holocausto, com Claudia Ninhos (Círculo de Leitores/Temas & Debates, 2013); Espiões em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial (Esfera dos Livros, 2013); Democracia, Ditadura. Memória e Justiça Política, coord. Irene Flunser Pimentel e Maria Inácia Rezola, (Tinta da China, 2013); História da Oposição à Ditadura em Portugal. 1926-1974, (Porto, Figueirinhas, 2014); Mulheres Portuguesas. História da Vida e dos Direitos das Mulheres num Mundo em Mudança, com Helena Pereira de Melo (Clube do Autor, 2015); Bystanders, Rescuers or Perpetrators. The Neutral Countries and the Shoah, International Holocaust Remembrance Alliance/Metropol (Berlim, 2016); O Comboio do Luxemburgo. Os Refugiados judeus que Portugal não salvou em 1940, com Margarida de Magalhães Ramalho (Esfera dos Livros, 2016); O Caso da PIDEDGS. Foram julgados os principais agentes da ditadura? (Círculo de Leitores/Temas& Debates, Outubro de 2017).

 

Prémios: História das Organizações Femininas do Estado Novo, prémio Carolina Michaelis, 1999; Judeus em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial. Em Fuga de Hitler e do Holocausto, prémio ex-aequo Adérito Sedas Nunes, atribuído pelo Instituto de Ciências Sociais, 2007; Prémio Pessoa, atribuído pelo Expresso e a Unysis, 2007; A História da PIDE, prémio especial da revista Máxima, 2008; Prémio Seeds of Science, categoria «Ciências Sociais e Humanas», 2009; A Cada um o seu Lugar. A Política Feminina do Estado Novo, prémio Ensaio da revista Máxima, 2011.

 

É Chevalière de la Légion d´Honneur francesa.

Livros relacionados
 
 
 
 
Livros relacionados
 

É licenciada em Filosofia pela Universidade de Coimbra e mestre em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa com a tese «Performance ou a Arte num Lugar Incómodo» (1993). Crítica de arte desde 1991. Assessora para a área de exposições de Lisboa’94 – Capital Europeia da Cultura. Foi co-fundadora e subdirectora do Instituto de Arte Contemporânea, tutelado pelo Ministério da Cultura. Foi membro dos júris da Bienal de Veneza (2003), do Turner Prize (2010), The Vincent Award (2013), entre outros. Co-seleccionadora do Ars Mundi, Cardiff (2008). Entre as inúmeras exposições que organizou, destacam-se: Bienal de Sidney «On Reason and Emotion» (2004), «Intus» de Helena Almeida, Pavilhão de Portugal, Bienal de Veneza (2005), «Provisions for the Future», Bienal de Sharjah (2009). Entre 2009 e 2015 foi directora do CAM-Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

 

Degree in Philosophy by Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (1987). Post-graduation and Master’s Degree in Social Communication, Departamento de Comunicação Social, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa; thesis: “Performance: Art in an Uncanny Place” (1993). Head adviser for the Exhibitions Department in Lisboa 94, Cultural Capital of Europe (co-coordination of a program of 25 exhibitions). Artistic director of Sydney Bienniale 2004 “On Reason and Emotion”, Sydney (several museums). Curator for the Portuguese Representation in Venice Biennale, June-October 2005. Selector of Artes Mundi 2008, Cardiff (Great Britain). Jury member of Venice Biennial Best Pavillion (2003), Turner Prize (2010), The Vincent Award (2013) among others. . Founder and Deputy Director between 1996 and 2001 of the Instituto de Arte Contemporânea (IAC) of the Portuguese Ministry of Culture where she runs during 3 years an international collection and organized the Portuguese representations to: Venice Biennial (2001), London Art Biennial 2000, São Paulo Biennial (1996 and 1998), Istanbul (1997 and 1999) among others activities. Among others she curated the following exhibitions and subsequent catalogues: “Sublime”, Museu do Chiado, Lisboa 1994; “The Day After Tomorrow”, Centro Cultural de Belém, Lisboa 1994; “Mediations”, Palácio Galveias and Museu do Chiado, Lisboa 1997; “Eve’s - Paula Soares”, Triennial of India, New Delhi, 1997; “Entrada Azul – Helena Almeida retrospective”, Casa da América, Madrid 1998; “Trading Images”- one year international exhibition cycle with one-person shows of Adriana Varejão, Eugenio Dittborn, Narelle Jubelin, Museu da Cidade, Lisboa 1998; “Initiare”, Centro Cultural de Belém, Lisboa 2000; “Inhabitated Drawing – Helena Almeida”, Drawing Center, New York, 2004; «Taking Time», MARCO, Vigo 2007 (Spain)., «Between the Lines», Museu das Comunicações, Lisboa 2008; Sharjah Biennial 2009. Director of CAM-Fundação Calouste Gulbenkian, Lisbon (2009-2015).

Livros relacionados
 

Isabela Figueiredo nasceu em Lourenço Marques, Moçambique, hoje Maputo, em 1963. Após a independência de Moçambique, em 1975, rumou a Portugal, incorporando o contingente de retornados. Foi jornalista no Diário de Notícias e é professora de Português. Estudou Línguas e Literaturas Lusófonas, Sociologia das Religiões e Questões de Género. Publicou os seus primeiros textos no extinto suplemento DN Jovem, do Diário de Notícias, em 1983.

É autora de Conto É Como Quem Diz (Odivelas: Europress, 1988), novela que recebeu o primeiro prémio da Mostra Portuguesa de Artes e Ideias, em 1988, e de Caderno de Memórias Coloniais, cuja primeira edição data de 2009. Escreve regularmente no blogue Novo Mundo. Desenvolve workshops de escrita criativa e participa em seminários e conferências sobre as suas principais áreas de interesse: estratégias de poder, de exclusão/inclusão, colonialismo dos territórios, géneros, corpo, culturas e espécies.

Livros relacionados
 

«Em 21 de Outubro de 1904, Isabelle Eberhardt morreu soterrada e afogada sob uma onda do ued argelino de Aïn Sefra. Tinha vinte e sete anos de idade, era suíça, filha de pai incógnito; e a história deste vazio, que a restringiu a um único progenitor no seu registo de Genebra, desce romanescamente desde a Rússia czarista até à Europa Central.

Natalia Nicolaevna Eberhardt foi uma esposa incómoda para o general e senador Pavel Karlovich de Moerder, muito próximo de Nicolau II. O seu sangue judaico, tardiamente descoberto, lançava as bases de uma insanável desavença conjugal. Moerder sentia- se traído pela prolongada ignorância desta «impureza semita» introduzida na sua vida íntima e cuidadosamente iludida pela sua mulher. Mas tinha-a regularmente engravidado; e muito consciente da sua condição de pai russo bem colocado na vida e merecedor de respeito, evitara à educação desses filhos a promiscuidade de uma escola pública contratando Alexander Tropimovski, preceptor ucraniano, ex-pope ortodoxo, amigo de Bakunin, poliglota, e que surgia no seu lar acrescentado por uma bastante apreciável beleza física.

Natalia Nicoalevna não foi indiferente à proximidade deste educador erudito e com laivos de um requintado anarquismo. Essencialmente por isto, e para deixar a mais cómoda distância o semitismo e a fidelidade duvidosa da sua vida conjugal, o severo Moerder viu na oportunidade de um filho de pulmões fracos a boa desculpa que lhe permitiria exportar toda a sua família mais próxima para a Suíça; e, por que não, acompanhada pelas competências do acarinhado preceptor.

Natalia e Tropimovski construíram longe da corte russa, nos arredores de Genebra, um novo núcleo familiar visto de sobrolho franzido pelos bem comportados helvéticos; visto como assumido adultério e animado centro de convívio para intelectuais de esquerda e políticos expatriados.

E quando Isabelle nasceu [Genebra, Suiça, 17 de Fevereiro de 1877], concebida longe das obras do general russo, nem Moerder nem Tropimovski quiseram oferecer-lhe uma paternidade. Ao contrário de todos os seus irmãos, com um Moerder a respeitabilizar-lhes o nome, teve de contentar-se com o que havia no lado materno. Isabelle seria, para os registos oficiais e para a literatura, Isabelle Eberhardt.

[...]

Em 1899, Natalia Nicolaevna era uma mulher irremediavelmente distante dos prestígios da corte russa e com a fama incómoda de ter vindo satisfazer, longe dos olhos e dos sentimentos do seu marido, os apelos de uma exigente sensualidade. Isabelle, essa, era vista por Genebra como uma extravagante. Vestia-se com fardas de marinheiro e outros trajos masculinos; e como sentia uma sede de exotismos alimentada por leituras febris que investigavam tudo quanto havia nessa veia, desde Flaubert a Loti, e como estava irremediavelmente apaixonada por uma fé muçulmana de marcado contraponto àquela cristandade suíça, o Norte de África de Marrocos ou da Argélia, dominado pela língua francesa, mostrou- -se com contornos de sonho realizável. Conduzidas pelo mesmo impulso, mãe e filha elegeram a Bône argelina como bom lugar para se arabizarem sob o confortável abrigo de uma mensalidade que poderia lá chegar sem sobressaltos. Também havia que apagar dos seus nomes o mau travo europeu: Natalia Nicolaevna passou a ser Fatma Mannubia; e Isabelle Eberhardt, vestida à árabe, transformou- se no jovem ambíguo Mahmud Sadi.

Masculinamente vestida, Mahmud frequentava mesquitas e prostrava-se entre homens, com a cabeça a tocar no chão e voltada para Meca. Dormia com árabes encantados com o formoso rapaz que se despojava da gandurah e oferecia um corpo feminino ardente, com os atractivos equívocos da androginia.

[...]»

Aníbal Fernandes, Apresentação de «Rakhil», Sistema Solar, 2018.

Livros relacionados
 

Isabelle Rimbaud (10 anos de idade em 1870): De cinco filhos a mais nova; mas (devido à morte da sua irmã Vitalie) apenas com dois irmãos, Frédéric e Arthur, e uma irmã Vitalie «segunda », poderá dizer-se, porque lhe coube por baptismo repetir o nome da irmã defunta. Virá a mostrar-se com energias de temperamento herdadas da sua mãe. Em momentos difíceis arregaça as mangas. Quando o seu irmão Arthur regressa das Áfricas atormentado por um joelho com uma ferida neoplásica, é incansável.E depois da sua morte sente-se gestora de uma grande obra literária. Escreveu a editores, a homens de letras, e sentiu-se capaz de biografar o irmão retocando-o com os branqueamentos pedidos pela sua moralidade conservadora e cristã. Em 1895, com um rasgo de grande lucidez intelectual, autoriza o impuro Verlaine a prefaciar as Poésies Complètes do seu irmão. [Aníbal Fernandes]

Livros relacionados
 
 
 
 
RECEBA AS NOVIDADES!
SUBSCREVA A NEWSLETTER E ESTEJA SEMPRE A PAR DE NOVIDADES E PROMOÇÕES
REDES SOCIAIS
© 2014. Sistema Solar. Todos os Direitos são reservados - Política de Privacidade
design bin?rio