0,00€
A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z
Guillaume Apollinaire

Roma, 26 de Agosto de 1880 – Paris, 9 de Novembro de 1918. Olhado, durante muito tempo, como um génio fantasista e mistificador, Apollinaire viu crescer a sua glória ao longo dos anos. Teve o pressentimento ousado das vias por onde deveria seguir a poesia moderna (autonomia das imagens, ruptura da sintaxe, abandono da pontuação, arte da colagem literária, modernidade do vocabulário). Foi também um dos iniciadores mais perspicazes da arte moderna. Proveniente do simbolismo, libertou-se muito cedo de toda a influência desta escola para enriquecer o universo da poesia com modulações de uma ressonância única de imagens insólitas e novas, dando-lhe o sentido do lirismo e do mistério. Vários músicos basearam algumas das suas composições na poesia de Apollinaire (Honegger, Poulenc, Chostakovitch, etc.). O melhor da sua poesia está publicado em Alcools, onde renova verdadeiramente a poesia francesa encaminhando-a «até às fronteiras do ilimitado e do futuro». A sua vida foi muito agitada, exercendo desde ofícios medíocres até professor na Renânia. Alistou-se como voluntário na Primeira Grande Guerra.

ARTIGOS RELACIONADOS
 
  • As Mamas de Tirésias -...
    PREÇO:
    14.00€
RECEBA AS NOVIDADES!
SUBSCREVA A NEWSLETTER E ESTEJA SEMPRE A PAR DE NOVIDADES E PROMOÇÕES
REDES SOCIAIS
© 2014. Sistema Solar. Todos os Direitos são reservados - Política de Privacidade
design bin?rio